Qual é a tua opinião
 


Designed by:

Marcha Internacional pela Liberdade dos Povos Oprimidos e Minorias. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Terra Cabinda   
Domingo, 30 Outubro 2011 08:18

 

No dia 22 de Outubro do ano em curso decorreu em três capitais europeias: Berlim, Paris e Roma a Marcha Internacional pela Liberdade dos Povos Oprimidos e Minorias.

Cabinda esteve presente no acto central que teve lugar em Roma na pessoa de Martinho Lubango (na foto) que tomou a palavra e falou para a audiência internacional maioritariamente italiana, na "Piazza Bocca della Verità", onde foi atentamente ouvido e suscitou fortes simpatias à questão e ao drama do povo de Cabinda entre o público presente.

Martinho Lubango resumiu a situação de Cabinda das origens ao presente momento, e exortou a comunidade internacional de ajudar os cabindas porque nenhum povo se libertou da ocupação ou do domínio estrangeiro sem o concurso de outros povos livres e amantes da liberdade.
Os interesses económicos não devem suplantar a liberdade e o direito dos povos. 

De recordar que Cabinda vive uma situação de extrema dificuldade no momento actual, resultante do aumento da opressão contra as populações indefesas, ao ponto do regime de Angola ter publicado através de um "website satélite" uma lista confusa de cabindas a serem assassinados pelo regime para garantir, segundo eles, o fim das reivindicações do povo de Cabinda.  

 

Actualizado em Segunda, 31 Outubro 2011 21:46
 

Doação

Sim, eu gostaria de ajudar a expressar a situação difícil do povo reprimido e marginalizado de Cabinda.

O Fórum Liberal para a Emancipação de Cabinda é uma organização sem fins lucrativos e apoia-se nas contribuições dos seus membros, subvenções e doações de pessoas e organizações filantrópicas amantes da paz, que entendem o jugo das populações que representamos para suportar o seu trabalho e actividades. A sua doação seria uma contribuição bem-vinda para permitir-nos de continuar assistindo as justas e pacíficas aspirações do povo de Cabinda, e promover os seus direitos humanos e o seu direito a autodeterminação, procurar uma solução não violenta para o conflito de Cabinda que afecta o povo de Cabinda e trazer a paz e a segurança para todos no território.