Qual é a tua opinião
 


Designed by:

A Delegação da UE em Cabinda Testemunha as Atrocidades Suportadas pelos Cabindas PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Terra Cabinda   
Sexta, 29 Julho 2011 22:10

              

           

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 A Delegação da UE em Cabinda Testemunha as Atrocidades Suportadas pelos Cabindas


Do dia 25 de Julho ao dia 26 de Julho de 2011, uma Delegação da Comissão da UE em Angola conduzida pelo Sr. Javier Puyol constituída pelos embaixadores da França, Grã-Bretanha, Holanda, Alemanha e Polónia, além de representantes de Portugal e Itália (segundo a Angop) visitou Cabinda.


A visita foi planeada pelo Governo de Angola com o fim de mostrar aos representantes desses países desenvolvidos o seu controlo total do território e convencê-los que Cabinda realizou a paz segundo a vontade da Angola, manu-militari, esperando deles a passagem de uma mensagem aos seus Governos de se desembaraçar da questão de Cabinda da agenda internacional.


Contudo, a determinação do povo de Cabinda foi mais uma vez firmemente demonstrada, apesar da repressão de que são vítima, por uma manifestação pacífica espontânea para transmitir uma mensagem contrária àquela preparada pelo regime aos seus convidados.


Como de hábito o regime respondeu com violência e, agora, há detenções maciças em curso em Cabinda, depois do horrível evento que o mundo desta vez não pode ignorar como foi aos olhos de Embaixadores respeitados de países desenvolvidos, membros da UE, com grandes interesses em Cabinda.


Se eles não viram pelo menos ouviram os tiroteios e gritos das populações pacíficas de Cabinda que quiseram aproximar-se deles só para exprimir as suas aspirações à paz, dignidade e autodeterminação como estatuído na Carta das Nações Unidas e todos os direitos internacionais do Homem e dos povos reconhecidos pelo mundo inteiro promovidos pela UE e países que aqueles Embaixadores representam.


A mensagem é clara: Cabinda está sofrendo aos olhos do mundo civilizado em pleno século XXI, enquanto o mundo tem mecanismos para regular todos os conflitos baseados na autodeterminação como acabamos de testemunhar no Sudão do Sul. Por que dois pesos duas medidas?


O Fórum Liberal para a Emancipação de Cabinda pede mais uma vez as potências mundiais de reconsiderar o seu duplo padrão com relação à questão de Cabinda porque são eles que realmente ainda detêm o estandarte dos amantes da paz, e dos direitos humanos; o regime de Luanda sente-se encorajado com o silêncio da UE e vê isso como uma carta branca que lhe permite fazer tudo o que quer contra o martirizado povo de Cabinda.

Actualizado em Domingo, 30 Outubro 2011 08:56
 

Doação

Sim, eu gostaria de ajudar a expressar a situação difícil do povo reprimido e marginalizado de Cabinda.

O Fórum Liberal para a Emancipação de Cabinda é uma organização sem fins lucrativos e apoia-se nas contribuições dos seus membros, subvenções e doações de pessoas e organizações filantrópicas amantes da paz, que entendem o jugo das populações que representamos para suportar o seu trabalho e actividades. A sua doação seria uma contribuição bem-vinda para permitir-nos de continuar assistindo as justas e pacíficas aspirações do povo de Cabinda, e promover os seus direitos humanos e o seu direito a autodeterminação, procurar uma solução não violenta para o conflito de Cabinda que afecta o povo de Cabinda e trazer a paz e a segurança para todos no território.