Qual é a tua opinião
 


Designed by:

N E C R O N O L O G I A PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Terra Cabinda   
Sábado, 04 Junho 2016 07:42
There are no translations available.

 

 

Henriques Tiago Nzita

(14. 07.1927 – 03.06. 2016)

Os Cabindenses e todos aqueles que acompanham a justa luta deste martirizado povo acordaram sob o anúncio do desaparecimento físico de Nzita Tiago, como preferia ser chamado em vida, vitima de prolongada doença registado na madrugada do dia 03 de Junho do ano de 2016.

Nzita Tiago foi um dos co-fundadores da FLEC em 1963 juntamente com os Senhores Luís Ranque Franque (falecido) e António Eduardo Sozinho (em vida). Mais tarde, como resultado de profundas divergências políticas seguiram rumos diferentes e Nzita Tiago fundou a FLEC/FAC que presidiu ate a morte como figura incontornável.

Os homens passam e a história continua o registo dos acontecimentos no tempo e no espaço. A obra e perfil politico de Nzita Tiago será certamente recordado pelos Cabindenses e apreciado ao longo das diferentes etapas da luta do Povo de Cabinda.

O seu desaparecimento físico constitui uma perda irreparável para a sua família e um vazio difícil de colmatar para a FLEC/FAC e a Resistência Cabindense.

O Fórum Liberal para a Emancipação de Cabinda está associado a este momento de dor e apresenta à família enlutada os seus sentimentos de pesar.

QUE A SUA ALMA DESCANSE EM PAZ!

Actualizado em Domingo, 05 Junho 2016 23:16
 

Doação

Sim, eu gostaria de ajudar a expressar a situação difícil do povo reprimido e marginalizado de Cabinda.

O Fórum Liberal para a Emancipação de Cabinda é uma organização sem fins lucrativos e apoia-se nas contribuições dos seus membros, subvenções e doações de pessoas e organizações filantrópicas amantes da paz, que entendem o jugo das populações que representamos para suportar o seu trabalho e actividades. A sua doação seria uma contribuição bem-vinda para permitir-nos de continuar assistindo as justas e pacíficas aspirações do povo de Cabinda, e promover os seus direitos humanos e o seu direito a autodeterminação, procurar uma solução não violenta para o conflito de Cabinda que afecta o povo de Cabinda e trazer a paz e a segurança para todos no território.